RSS

Dia 135 – 2018

terça

Horário da Postagem

10h34min

Temperatura mínima em trajetória de recuperação sobe mais um pouquinho, agora chegando aos 15°Celsius; a intensidade do vento também avança, com previsão de rajadas a 10 km/h; umidade relativa volta ao quadro de alta, oscilando entre 65 e 75%; a chuva volta ao quadro do tempo, mas não de forma constante; a expectativa de temperatura máxima de 25°Celsius é extrapolada pela realidade. Dados do site Tempo Agora.

A manhã passa depressa e o mais incrível é que eu ainda não fiz nada. Mas depende do que eu chamo de nada. São 10h13min. Eu levantei às 7h30. Se estivesse no trabalho teria levado uma eternidade para o relógio chegar às 10h, que seria a metade do turno. Levaria uma outra eternidade para chegar às 12h55, hora de registrar o ponto de saída.

Estando de folga, não.

Eu levantei às 7h30. Às 7h40 estava começando a montar meu café com arena. Às 8h45 estava saindo de casa para ir à lotérica sacar o FGTS a fim de completar o valor que ficou combinado de entrada do conserto da Marau. Cheguei às 8h54, mas o lugar só abre às 9. Às 9h04 saí caminhando na direção da oficina. Cortei caminho por dentro do bairro em vez de ir pela Av. Nonoai. Passei pela praça onde costumava caminhar loque que vim morar aqui. Está totalmente abandonada, tomada pelo matagal que faz parte do projeto do prefeito de acabar com a cidade.

Às 9h37min cheguei na oficina. Pedi a cortesia de me consertarem a fechadura da porta de trás do motorista, o que me foi garantido que será feito, mas que antes de eu sair de lá ficou demonstrado que não será tarefa fácil. Às 9h48 comecei a caminhada de volta para casa.

Ainda não fazia cinco minutos que havia saído de lá quando a menina da recepção da oficina ligou. Queria que eu voltasse para pegar o recibo de que eu tinha deixado o valor de entrada do conserto, mas pedi para que deixasse grampeado na ficha. Eu não iria voltar só por causa daquilo.

Nessas horas vejo o quanto as caminhadas na esteira e o exercício no elíptico ajudam. Às 10h15 estava dentro de casa.

Antes, dei uma parada na portaria e consegui a nova senha da porta de entrada da frente da torre, que foi trocada faz tempo, e nem todo mundo foi avisado.

Agora estou escrevendo este rascunho, e está melhor de fazê-lo depois que a mão esquentou, porque este tipo de caminhada na rua deixa os braços meio travados, endurecidos.

Então, agora vou digitalizar este texto, montar o quadro do tempo (a Lisi sugeriu que eu levasse a Canon na caminhada, mas eu não quis, porque aí, sim, penso que vou chamar atenção de mais, e eu estava carregando R$ 2.000.00 em dinheiro no bolso, mas isso ninguém que cruzasse comigo cogitaria que estivesse acontecendo) com fotos de sempre, e depois ainda tenho que montar a espera para o jogo do Grêmio de logo mais, pela Libertadores.

Foi a isso tudo que me referi ao dizer que não tinha feito nada, no início do texto. Será que exagerei?

P.S.: Na hora de sair fui enganado pela cara do dia, e por uns poucos pingos de chuva. Fui de jeans e boné, pensando que estivesse frio e chuvoso, e não foi o que aconteceu. O céu continuou nublado, mas a chuva foi paupérrima, e passei o maior calor.

Para visualizar as fotos do quadro do tempo acesse o link Quem Vai Querer Saber™, lá embaixo. Será redirecionado para um álbum no Facebook.


Your Comment