RSS

Dia 217 – 2011 (2.100 posts no geral)

Hora da Postagem

08:20

Mais um dia que amanheceu ensolarado sem nuvens sequer no horizonte, e mais um dia em que a temperatura teve recuo, com o termômetro assinalando C às 6:23.

3

CADA um na SUA

Estou terminando a primeira postagem do dia, só que nunca posso garantir que haverá mais alguma.

Como atualmente (depois do empréstimo à Fepam, já fez dois anos que terminou) estou de volta ao setor de atendimento ao cliente, nos intervalos entre uma ligação e outra pode ser que me venha inspiração para escrever, pode ser que não. Por isso ando avisando no Facebook e no Twitter quando sai alguma publicação, em especial no turno da manhã, já que à tarde, em casa, tenho coisas para fazer, coisas que gosto e que me interessam, entre elas conversar com a namorada pelo MSN e eventualmente com algumas outras pessoas, se bem que fora a família, só tenho falado com uma amiga com quem tenho mais de 10 anos de convívio virtual e outra com quem ando perto disso.

Não passo 24 horas do dia escrevendo.

Apesar de eu insistir em que no blog escrevo sobre o que não interessa, quando não estou escrevendo (e posso afirmar que não passo mais do que uma hora, somando tudo, talvez hora e meia) estou fazendo tudo que me interessa, e que não sei por que me parece que tem pessoas que gostariam que eu contasse, mas não vejo necessidade.

Como escrevi anteriormente, diário quer dizer todos os dias, e não que eu tenha que contar em detalhes tudo que me acontece. Muita coisa acontece e não vem para o blog, não vai para o Orkut, não vai para o Facebook e nem vai para o Twitter. Não precisa. De toda maneira, gosto é que nem cu, como diz minha tia Heloísa, cada um tem o seu.

Cada um faz o que quer da vida, e, como sempre digo, basta analisar os resultados que se obtém ao longo dela. Estou sempre analisando os meus e mudo todos os rumos quando acho que tenho que mudar, e basta andar por aqui para ver que isso acontece a todo momento. Não sou de dizer às pessoas o que fazer com suas vidas e acho que já tenho idade suficiente para saber o que fazer da minha (sem querer ofender ninguém).

E entre papos com amigos e colegas de trabalho, boas risadas e muita bobagem, descontando tudo, não deu uma hora escrevendo. Fiz questão de cronometrar. 

2

ELE VOLTOU 

Uma das vantagens de morar sozinho é que não preciso mais me preocupar com “o que vou dizer para as crianças“, quando se paga um mico como este de Celso Roth voltar a treinar o Grêmio. Era uma tragédia anunciada, e só o carisma do presidente Paulo Odone para me fazer ainda não cancelar o cartão de Sócio Torcedor.

Mas não vai demorar muito.

Todo mundo já sabe como o Celso trabalha. Em 2008 a torcida teve que aguentar ele dando uma tremenda força para um jogador, André Luis (que ninguém sabe por onde anda e tem gente que sequer lembra quem era), dizendo, a cada entrevista, que o jogador tinha cumprido importante função tática, ajudando muito a equipe. Para ele, o cara era sempre o melhor jogador do time. Não jogava nada. Com o Celso, não tenho duvida de que Lins, daqui a pouco, vai virar titular indiscutível.

Para nem falar no quilômetro de arrancada, ou seja, o Celso é muito bom na largada. Apesar de que, como disse a meus amigos, ontem, colorados ou gremistas, na situação do Grêmio só um milagre, e nada melhor do que um técnico que tem histórico: conseguiu o milagre de perder um campeonato tendo virado o primeiro turno 11 p0ntos à frente do time que venceu a competição.

Enquanto isso, Renato Portaluppi conseguiu a terceira vitória seguida no comando do Atlético/PR.

O Grêmio agora vai. Mas eu não entendo nada de futebol.

1

ATÉ QUE FUNCIONA

Uma coisa que gosto de fazer no Inverno e faço, mesmo, é esquentar um queijinho ralado ou fatiado em cima da comida, no forno de microondas. Parmesão ou muzzarela, tanto faz. Algumas vezes ele não vai por cima, tem horas que coloco no meio, entre uma coisa e outra. Como fica bom.

A única marca que vejo de queijo parmesão ralado light, ao menos no Big, é a Kunzler. O pessoal coloca uma gôndola especial imensa, cheia de pacotes de queijo ralado normal, e de vez em quando consigo achar um ou dois do light, e ontem foi assim. Mas depois, andando por outros corredores, achei duas daquelas tripinhas de pacotes de queijo ralado light, grudados um no outro, e tratei de fazer a festa, pegando mais uns quatro.

Quando cheguei em casa, na hora de montar meu almoço, botei o último feijão, o último arroz (guardados especialmente para aquele momento, porque desde o dias anterior já sabia que chegaria tarde e detesto ter que cozinhar na hora, quando chego em casa), abri uma lata de sardinha light, tudo legalzinho, abri um dos pacotes de queijo e virei por cima, e só aí que vi o mofo. Como era o último sopro de comida, tratei de catar o máximo que pude do queijo mofado de cima do prato, porque me recusava a cozinhar na hora.

Feito isso, recoloquei de volta no pacote o queijo mofado e tratei de tocar a vida. Lembrei de uma vez em que eu tinha comprado uma barra de queijo no Carrefour da Zona Norte e que estava mofado quando abri o pacote. Na ocasião procurei um gerente da loja e discretamente mostrei o produto, ocasião em que ele também discretamente chamou um funcionário e ordenou que me fosse trocado o produto, com agradecimentos e desculpas. No caso do Big, não daria para eu fazer isso. O pacote que comprei era de 50g, se não me engano a R$ 2,75.

Não daria para eu ir até lá, entrar na loja, reclamar do produto estragado, fazer a troca e sair, durante a franquia de 20 minutos do estacionamento pago do BarraShopping, que custa R$ 4,00. E para não pagar estes 4 teria que gastar no mínimo mais R$ 20,00 para ganhar isenção. As duas opções estavam fora de cogitação. 

Enquanto almoçava, falando com a Ana pelo messiene como sempre fazemos, todas as tardes, contei o acontecido e ela deu a ideia de eu ligar para o SAC da Kunzler, o que fiz um pouco depois das 17 horas. A menina que me atendeu foi muito atenciosa, pediu para eu ver a data de fabricação no pacote, e então descobri que havia mais dois daquela data, os outros eram de data anterior.

Ela então pediu que eu guardasse o pacote com o produto estragado, para entregá-lo a um motoboy que virá até à Procergs me trazer pacotes de queijo light para substituir os da data que apresentou problema e amostras de alguns outros produtos da empresa. Disse que foi ótimo eu ter ligado porque eles poderão investigar se o problema aconteceu na própria fábrica ou durante o transporte ou armazenagem na loja do Big onde fiz a compra.

Gostei.


2 Comments Add Yours ↓

  1. Ana Souza #
    1

    “Eu já sei o que eu vou ser.. ser quando crescer…” Legiao Urbana – CD Uma Outra Estação

  2. picida ribeiro #
    2

    Gostei tambem… Da atitude de reclamar e do atendimento recebibo….



Your Comment