RSS

Flutuadores

E os AFAGOS SENTIMENTAIS

Quando as pessoas cruzam nosso caminho geralmente não sabemos o que vai acontecer, embora saibamos alguma coisa sobre o que pode acontecer, especialmente se as pessoas envolvidas estiverem disponíveis para um envolvimento mais intenso e profundo. Mas aí as coisas começam a acontecer, e então, se a gente deixa rolar, o sentimento pode naturalmente crescer.

Na maior parte das vezes (ao menos aquelas que anteriormente vivi) a evolução do sentimento tem um roteiro bastante previsível, de se gostar, aprender a conviver, ter lá seus percalços, mas depois a gente se acostuma com a convivência e a vida segue até aquele momento em que ninguém mais sente que precisa se esforçar para cuidar, conservar.

De vez em quando a gente pode meio que ser pego de surpresa por um tipo de sentimento diferente, no qual se sente que tudo perde o sentido quando não se está perto daquela pessoa que nos faz sentir tão estranhos quando temos que nos afastar dela quanto nos faz sentir as tais borboletas no estômago que são o reflexo de estarmos recebendo o carinho, a atenção e os afagos sentimentais emanados por ela.

O mais estranho para mim, que nunca tinha vivido isso antes, é tomar conhecimento de que a pessoa sente a meu respeito o que descrevi no parágrafo anterior a respeito dela. Andando lado a lado numa via de mão dupla, não somos nós que nos movimentamos, é como se estivéssemos parados e o solo abaixo de nós se movesse em sentido contrário. Porque andamos lado a lado e enviamos o mesmo sentimento que recebemos.

Quando insisto na questão de que nunca havia sentido isso antes, falo não só de que nunca havia sentido nada parecido. Falo também que me sinto verdadeiramente surpreso com o desenvolvimento das coisas, tanto pela minha capacidade de sentir, que me parece inédita, quanto a de provocar, que me é igualmente inusitada.

Mas me parece também que se não fosse ela, não sei, não.


Your Comment