RSS

O Que Rolou

AZARÃO TOTAL

Antes do início da partida a ideia era de que o River teria que sair para o ataque, porque dependia de resultado para seguir adiante na competição, e é o que acontece nos primeiros minutos. A tentativa foi de imposição do tradicional jogo de velocidade argentino, enquanto o Grêmio se defende com todo mundo atrás da linha da bola, deixando o River trocar passes laterais, e enquanto isso não aprofunda.

Mais ou menos a mesma tática do jogo da semana passada.

Jogadores do River param os contra-ataques gremistas na base das faltas, o que é bom para o Grêmio, que tem não só o regulamento mas também a passagem do tempo a seu favor. O Grêmio concede ao River a posse de bola, e por causa disso os argentinos estão começando a arriscar os chutes de média e curta distâncias, tentando surpreender Marcelo Grohe. Até os 13 minutos Alisson foi o jogador gremista mais objetivo, tendo chutado várias vezes em gol, sem no entanto acertar a meta, tanto que Armani ainda não fez nenhuma defesa.

Alisson está também ajudando na recomposição defensiva, atuando muito na área gremista. Isso prejudica a atuação de Jael, que mal consegue tocar na bola. O River está empurrando o Grêmio para seu campo. O time gremista está com dificuldade para equilibrar, enquanto o River joga como se estivesse no Monumental de Nuñez e já está com dois escanteios, aos 19 minutos. A sensação é de que o gol do River pode sair a qualquer momento.

O River faz uma substituição ainda no primeiro tempo, quando Ponzio sente lesão, aos 24 minutos.

O Grêmio começou a partida sem um armador, o que também contribui muito para a inoperância ofensiva. Todos os chutes do River de fora da área passam sempre muito perto do gol de Marcelo Grohe. O Grêmio não consegue atacar. O River tem 70% de posse de bola no decorrer do primeiro tempo. O caso é que o tempo está passando, e quanto mais ele passa, mais rápido e descuidado tende a ficar o jogo do River.

Menos mal que apesar de tudo isso a defesa gremista está funcionando bem, especialmente Paulo Miranda, que substitui Walter Kannemann. Notícia boa: Enzo Perez faz falta em Alisson, que puxava um contra-ataque em velocidade, e recebe o primeiro cartão amarelo da partida.

O primeiro escanteio em favor do Grêmio aconteceu aos 34 minutos da primeira etapa.

A opção de Renato por Leonardo Gomes em vez de Leonardo Moura ficou justificada a partir do gol gremista, que obrigou o River a aumentar o ritmo, porque agora é preciso fazer pelo menos dois gols. E a chuva começa a cair com força sobre a Arena.

Por conta da cera técnica feita pelo Grêmio o árbitro deu quatro minutos de acréscimos, ao final do tempo de jogo.

Premido pela passagem do tempo, o River começa a segunda etapa novamente disposto a atacar, mas o Grêmio volta ligeiramente melhor, tratando de pressionar e trata de administrar na base da retomada da posse de bola. O River com um jogador de marcação a menos e um meia armador a mais o River não consegue atacar. Apesar disso, pode chegar perto da área gremista mais por causa dos erros defensivos do Grêmio do que por acertos ofensivos seus.

O Grêmio joga num 4-3-3, depois da saída de Maicon. Fica com Michel, Cícero e Ramiro no meio, Alisson, Everton e Jael na frente. Everton teve a chamada bola do jogo ao não conseguir desviar a bola do goleiro Armani em lance cara a cara com o goleiro. Ali o Grêmio perdeu a grande oportunidade de garantir a passagem para a final. O River tenta atacar, mas cada bola na área gremista tem uma falta em Marcelo, que nunca perde a oportunidade de cair e solicitar atendimento médico.

Quase ao final do segundo tempo o gol de empate do River o recoloca na partida, dando-lhe esperanças, o que é confirmado pelo trágico lance em que é assinalado o pênalti cometido por Bressan, que mal havia entrado e recebido cartão amarelo, minutos antes, deixou que a bola batesse em sua mão dentro da área e ainda recebeu cartão vermelho.

O VAR determina com justiça a eliminação do Grêmio da Libertadores.

A partir da virada no placar por parte do River o Grêmio se obriga a fazer em poucos minutos tudo que não fez ao longo de todo segundo tempo, período em que esteve tecnicamente melhor quer o adversário. Com um jogador a menos, e agora na base do tudo ou nada, o Grêmio só tem uma alternativa, sair para o ataque de qualquer maneira, e por isso Geromel vira centroavante.

Por conta do lance do pênalti, definido pelo VAR, o árbitro dá 9 minutos de acréscimos, tempo que foi em boa parte consumido pela cera técnica que passou a ser a estratégia do River, a mesma que havia sido usada pelo Grêmio até o momento do gol de empate.

O Grêmio cai, mas não sem luta.


Your Comment