RSS

Segue o Baile

UMA CERTEZA

Dois temas concretos e uma divagação depois, estava com o texto de hoje do diário do blogue montado.

Depois de ler alguns poemas do caderno de Literatura mencionado lá, fiquei pensando se podia escrever algo como aquilo que li e imediatamente minha resposta foi não. Já sei que vou ler aquela matéria várias vezes e jamais saberei o que é barroco, arcadismo, romantismo, parnasianismo, etc. As más línguas dizem que existe ainda o ruralismo, catolicismo, socialismo, mas me parece que nada disso tem a ver com poesia.

Brincadeirinha.

Esqueci de mencionar o paisagismo, o coronelismo e o tradicionalismo, também. E por falar nisso: existe alguma lei, regra ou dogmatismo que me impeça de escrever poesia falando em criação de gado, ou no pragmatismo (outro ismo) da religião católica, ou na filosofia do governo do povo para o povo, ou em alguma linda paisagem?

Se as aves que aqui gorjeiam não gorjeiam como lá (seja onde for), por que não poderia escrever sobre isso? E se eu escrevesse, por que minha poesia teria que ser classificada, qual o significado prático disso?

Eis aí a razão de por que minha poesia não se tornará um clássico: ela não existe.


Your Comment